9 de fev de 2008

São Pedro de Rates - O santo


Reza a lenda que o apóstolo São Tiago (também chamado de Santiago Maior, Santiago o Grande, e Santiago de Compostela, um dos 12 apóstolos de Jesus Cristo), teria ido à Península Ibérica, vindo da Terra Santa, no ano 44 d.C., e, ao passar pela serra de Rates, convertido um certo Malaquias e o batizado como Pedro.

A propósito disso, o Padre Antonio Vieira (1608-1697), no Capítulo XII do Volume I de seu livro profético “História do Futuro”, diz:

Entrou em Braga o santo Apóstolo, e para entrar com estrondo de trovão (cujo filho o chamara Cristo, Nosso Senhor, se foi a uma sepultura célebre, onde jacia enterrado de seiscentos anos um santo profeta, judeu de nação, e que ali viera dar com outros cativos mandados de Babilônia por Nabucodonosor, chamado Malaquias, o velho, ou Samuel, o moço e em presença de infinito povo, chamando por ele o ressuscitou em nome de Jesus Cristo, a quem vinha pregar e publicar por verdadeiro Deus; batizou-o pouco depois, e dando-lhe o nome de Pedro, o escolheu e tomou por primeiro e principal de todos seus discípulos.
...

De sorte que ambas as transmigrações de Jerusalém concorrem para a fé de Portugal: a de Cristo com o Apóstolo Santiago, e a de Nabuco com o Apóstolo Malaquias, depois chamado vulgarmente S. Pedro de Rates, que foi a pedra fundamental depois do sagrado Apóstolo da Igreja de Portugal. Os filhos desta Igreja e herdeiros desta Fé foram os que dali a tantos anos dominaram com os estandartes dela as cidades e regiões do Austro, que são propriissimamente as que correm de uma e outra parte do Oceano Austral, à parte direita pela costa da América ou Brasil, e à esquerda pela costa de África à Etiópia, cuja rainha Sabá chamou Cristo Regina Austri; e estas são as terras de que no comento deste texto faz menção Cornélio: Americam, Brasilicam, Africam, AEthiopiam
.”

Pedro de Rates foi o primeiro bispo de Braga, entre os anos de 45 e 60 da Era Cristã, na época uma importante cidade da Galiza (Galícia), e daí o título episcopal de "Primaz das Espanhas". Pedro acabou por fundar uma pequena ermida, vindo a transformá-la num importante centro de culto.

Pedro também era um bispo muito exigente, virtuoso e totalmente contra os pecados da carne. Foi decapitado durante uma missa. O motivo teria sido as tentativas de conversão de crentes da religião romana à fé cristã, mas existe outra versão que diz que ele teria salvado uma jovem princesa pagã; esta, ao se converter, fizera votos de castidade, e seu marido, furioso, teria mandado matar o bispo e destruir sua igreja.

Pedro viria a ser seria sepultado num novo templo, reconstruído no mesmo local, que não resistiu ao ataque muçulmano. A partir de então, e durante cerca de quatro séculos, os cristãos jamais deixaram de acorrer às ruínas onde se conservava o túmulo daquele a quem passaram a chamar São Pedro de Rates.

Conclui-se, portanto, Pedro era denominado de Rates por simples alusão ao seu local de nascimento.

2 comentários:

P disse...

Prezado amigo Rates, do prasil

Sou jornalista e escrevi a lenda do milagre de São Tiago em Braga, hoje capital histórica da Galiza, mas outrora capital da província romana da Galécia e, depois, do reino dos Suevos (povo germânico originário da região de Berlim". O legado territorial da Galécia de que Braga foi sempre a capital, mesmo durante os quase 200 anos de domínio dos reis suevos, compreendia a actual Galiza e ainda parte do ocidente das Astúrias e do antigo reino de Leão, além do Minho e Douro até às portas do Mondego

Sobre a lenda do Milagre de S. Tiago em Braga, o seu resumo corresponde`, em grande parte, à que publiquei na revista SIM.

Para uma mais fácil consulta procure o sítio

www.aregenerarbraga.com
e clique na secção que diz "MEMÓRIAS URBANAS"

Cumprimentos

p.s. foi oportuno ter transcrito a parte do sermão do Padre António Vieira sobre a lenda de S. Tiago em Braga. Ainda bem que no Brasil há gente que não esquece a importância no contexto das antigas Espanhas

P disse...

Prezado amigo Rates, do prasil

Sou jornalista e escrevi a lenda do milagre de São Tiago em Braga, hoje capital histórica da Galiza, mas outrora capital da província romana da Galécia e, depois, do reino dos Suevos (povo germânico originário da região de Berlim". O legado territorial da Galécia de que Braga foi sempre a capital, mesmo durante os quase 200 anos de domínio dos reis suevos, compreendia a actual Galiza e ainda parte do ocidente das Astúrias e do antigo reino de Leão, além do Minho e Douro até às portas do Mondego

Sobre a lenda do Milagre de S. Tiago em Braga, o seu resumo corresponde`, em grande parte, à que publiquei na revista SIM.

Para uma mais fácil consulta procure o sítio

www.aregenerarbraga.com
e clique na secção que diz "MEMÓRIAS URBANAS"

Cumprimentos

p.s. foi oportuno ter transcrito a parte do sermão do Padre António Vieira sobre a lenda de S. Tiago em Braga. Ainda bem que no Brasil há gente que não esquece a importância no contexto das antigas Espanhas